Calma, não tem ninguém pelado aqui

Hoje eu vou dar um tapa na cara da sociedade que diz que eu sou alfabeta apenas porque eu não consigo digitar direito uma vez que penso rápido demais e dedos não são tão velozes quanto sinapses (talvez os dedos do Hendrix, mas agora não dá mais pra saber NE) e falar sobre ~ literatura. Vamos a resenha de Amanhecer o último livro da saga crepúsculo BRINKS galero calma eu sou ridícula mas nem tanto vou fala sobre Juliet , nua e crua – o ultimo livro do aclamado (sempre quis usar essa palavra) escritor  inglês Nicky Hornby , conhecido também pela autoria de Alta fidelidade (que,devo admitir, é o melhor livro dele e é tão bom que eu afirmo isso mesmo sem ter lido todos) e pelo roteiro do filme Educação, que passou a pouco tempo no cinema e tem aquela menina que dizem que é a nova Audrey Hepburn mas meu cu.

Não é pornografia é tecnologia

Bom o livro fala basicamente da vida de Annie, uma inglesa insatisfeita com a vida que se vê perdida após o fim de um relacionamento tedioso de anos com Duncan que por sua vez era fanático por Tucker, um cantor de rock que fracassou em tudo na vida menos em um álbum onde ele retratava a dor de perder Juliet, uma modelo estúpida que ele amou porque os homens, como todos nós sabemos, amam com o pênis. Após anos sem lançar nada a gravadora resolve lançar Juliet, nua e crua, uma versão demo de Juliet, seu álbum de maior notoriedade. Duncan a primeira vista acha o álbum fantástico enquanto Annie acha imbecil e escreve sobre isso num site sobre Tucker. Este lê o que ela escreveu e eles começam a se comunicar por e-mail ,indo além de assuntos relacionados a música e falando de suas frustrações.

Mesmo tendo sofrido de catarse o livro inteiro ( alou Annie se vê perdida depois de um relacionamento de 15 anos que roubou toda sua juventude ) eu acho que consigo ser bem imparcial quando digo que este é um bom livro dele.Fica atrás de Alta Fidelidade que é fantástico (se vocês tem preguiça de ler, vejam o filme, tem o Jack Black que faz muito bem o personagem mais babaca da história da ficção e o lindo do John Cusak) e empata com Como ser Legal ( tradução equivocada de How to be good).

Alta Fidelidade

Bom eu acho que o que mais se destaca tanto nesse quanto nos outros livros do autor é a catarse. Simplesmente não há como não se identificar com os personagens criados por ele. Nesse livro em especial temos :

Annie, que se vê beirando a meia idade presa em um relacionamento, um emprego e uma cidade e até mesmo um analista que detesta apenas por comodismo e quando resolve dar uma guinada na vida, bem, não vou dar spoilers, mas as coisas meio que não saem como o esperado.

Duncan, que após uma vida idolatrando e analisando cada passo de Tucker, e se vangloriando disso não aprende lição nenhuma. E ainda por cima da o fora em Annie e como todo cara entediante se arrepende depois ( ele parece um personagem chave no inicio do livro, mas com o tempo vê-se que ele é só uma conjunção entre Annie e Tucker de modo que perde o possível carinho que possamos criar por ele)

Tucker, o cantor fracassado que entra em sites de fãs pra ver o que estão falando dele. Ele é basicamente o tipo de pessoa que fez cagada a vida toda e quase no final dela começa a se arrepender e a tentar consertar as coisas, mas simplesmente não sabe como já que nunca soube tomar as atitudes corretas.

Apesar da sinopse do livro não prometer muito, ele é bom e os conflitos internos dos personagens melhores ainda. Eu daria, inclusive, destaque para Jackson, filho de 6 anos de Tucker que, como todos os personagens infantis de Hornby aliás, é fantástico. Jackson é neurótico e tem um poder de percepção absurdo e idolatra o pai ( é provavelmente a única coisa boa que Tucker fez além do álbum Juliet). As personagens infantis de Como ser legal são ótimas também.

Além disso tudo, assim como acontece nos outros livros do autor, podemos encontrar referências de cultura pop o tempo inteiro. Fala-se de Morrisey e Bob Dylan que eu me lembre agora. O Alta fidelidade se passa em uma loja de discos, está cheio de dicas de música pra baixar, é lindo (inclusive eles recomendam uma versão ótima de I Just Don’t Know What To Do With Myself que é uma pena eu não lembrar qual é pra passar pra vcs). Encontramos Tony Hawks e o mundo do Skate em Slam e o resto eu sinceramente não me lembro, mas deve ter.Enfim.

SELINHO HARPIAS DE APROVAÇÃO DESLIGUEM O PC E VÃO LER JULIET, NUA E CRUA

Anúncios

Sobre camilarpias

Sou só uma garota que espera ansiosamente que os zumbis destruam a Terra. Enquanto isso não acontece eu escrevo aqui.
Esta entrada foi publicada em Uncategorized com as etiquetas , . ligação permanente.

7 respostas a Calma, não tem ninguém pelado aqui

  1. Ana Capim diz:

    Caramba que texto bom. Deu muita vontade de ler o livro. Tu deve ter arrasado nas redações dos vestibulares por aí.

  2. Silvia Oliveira diz:

    Muito boa sua resenha, Harpias. Deu vontade de ler o livro. Aliás, os livros, é um autor que ainda não li. Vou começar pelo Alta Fidelidade.
    Valeu pelas dicas.
    Abraços

  3. Larissa diz:

    Bob Dylan *—————-*

    caraca Harpias, super bem escrito 😀
    deu vontade ler agora *-*

  4. po eu tenho dislexia… mas se eu não tivesse leria esse livro. Dá próxima vez faz um resumo mais detalhado…. rs

  5. Marco Antonio diz:

    Já li o livro Slam do Nick, achei uma leitura muito boa, gostei da sinopse, agora com tempo nessas férias quem sabe não procure esse livro 😀

  6. Pingback: Top Posts — WordPress.com

  7. Desprezava ele até assistir alta fidelidade e ler slam, o cara tem cadência na escrita.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s