Calma, a gente nasceu desse jeito

Então galero depois de colocar muito fogo no cu das amigue, Lady Gaga finalmente lançou, hoje, Born this way, o primeiro single do seu novo (e não flopado, esperamos) CD (não sei porque ainda chamam de CD se eu não conheço viv’alma que ainda compre CD’s). Eu como sou um viado preso num corpo de mulher (nasci desse jeito, rysos) ja ouvi a musica 6,02×10²³ vezes e me sinto no direito como fã e como cidadã de dar a minha~opinião~ sobre a música.

 

Born this way *_*

Primeiro vamos analisar a letra:

It doesn’t matter if you love him, or capital H-I-M
Just put your paws up
‘Cause you were Born This Way, baby

Esse inicio é falado.FALADO, as in NÃO CANTADO, além de começar música falando ser meio NOT ela já usou isso em Alejandro. Alejandro até vai pq tinha uma certa carga dramatica, mas não vem querer inserir drama numa música feita pra ralar boceta no dancefloor.
My mama told me when I was young
We are all born superstars
She rolled my hair and put my lipstick on
In the glass of her boudoir

nunca NUNCA comece uma música falando dos seus pais a não ser que seja uma música sobre eles , tipo Pai do Fábio jr. E que otimismo é esse que todos nós nascemos superstars? Sério, de quem é essa música?Da Gaga ou da Xuxa?
“There’s nothin’ wrong with lovin’ who you are”
She said, “‘Cause he made you perfect, babe”
“So hold your head up, girl and you you’ll go far,
listen to me when I say”

Isso ultrapassou a linha tênue que separa a auto-confiança da prepotência. Eu não tenho auto estima pra cantar isso não.
I’m beautiful in my way,
‘Cause God makes no mistakes
I’m on the right track, baby
I was Born This Way
God makes no mistakes?Seriously?
Don’t hide yourself in regret,
Just love yourself and you’re set
I’m on the right track, baby
I was Born This Way

quero morre
Ooo, there ain’t no other way
Baby, I was Born This Way
Baby, I was Born This Way
Ooo, there ain’t other way
Baby, I was Born-
I’m on the right track, baby
I was Born This Way
o bom do refrão é que é fácil de gravar
Don’t be a drag, just be a queen
Don’t be a drag, just be a queen
Don’t be a drag, just be a queen
Don’t be!

Acho que a gente poderia fazer um trocadilho com drag queen acho que vai ficar muito maneiro
Give yourself prudence
And love your friends
Subway kid, rejoice your truth
In the religion of the insecure
I must be myself, respect my mouth

Acho que esse respeitar a minha boca é algo muito importante de se ouvir numa night
A different lover is not a sin
Believe capital H-I-M (Hey, Hey, Hey)
I love my life, I love this record and
Mi amore vole fe yah (Love needs faith)

Pedacinho de música em outro idioma BORING
Don’t hide yourself in regret,
Just love yourself and you’re set
Don’t be drag, just be a queen
Whether you’re broke or evergreen
You’re black, white, beige, chola descent
You’re lebanese, you’re orient
Whether life’s disabilities
Left you outcast, bullied or teased
Rejoice and love yourself today
‘Cause baby, you were Born This Way
Vamos respeitar as diferenzzzzzzzZZZZZZZZZZzzzzzzzzzzz
No matter gay, straight or bi
Lesbian, transgendered life
I’m on the right track, baby
I was born to survive
No matter black, white or beige
Chola or orient made
I’m on the right track, baby
I was born to be brave

eu amo os gays (conheço a maioria deles) , mas TETESTO militancia. Achei a letra bem flop.

 

primeira regra do clube do flop NÃO FALAR DO CLUBE DO FLOP

Agora vamos a melodia:

zSHARE – Born_This_Way.mp3.

 

CONCLUSÂO: a música é otimista demais pro meu gosto e politizada demais pra uma música de boate, mas dá pra dançar galero, com vodka desce redonda.

 

Anúncios

Sobre camilarpias

Sou só uma garota que espera ansiosamente que os zumbis destruam a Terra. Enquanto isso não acontece eu escrevo aqui.
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

45 respostas a Calma, a gente nasceu desse jeito

  1. Mariana diz:

    ”nunca NUNCA comece uma música falando dos seus pais a não ser que seja uma música sobre eles , tipo Pai do Fábio jr. E que otimismo é esse que todos nós nascemos superstars? Sério, de quem é essa música?Da Gaga ou da Xuxa?” então avisa aí pra Lady Gaga que a música não vai fazer sucesso porque ela começou falando da mãe

  2. Douglhas diz:

    Gostei da música e não concordo mto com a sua crítica.
    Só concordo com o começo falado q eu tbm achei desnecessário.

  3. Paulo diz:

    tu TETESTA militância pq ninguém nunca estourou uma lâmpada na tua cara, escrota.

  4. Daniel Vilas Boas diz:

    quem escreveu isso é um lindo, vergonha alheia total pela Gaga

  5. Se fosse em português, seria uma parada Kelly Key com qualquer outra coisa trash… Tudo puta e tudo viado!

  6. @henriquehoff diz:

    express yourself

  7. Carlos diz:

    tu TETESTA militância pq ninguém nunca estourou uma lâmpada na tua cara, escrota. [2]

    Na boa, sempre te achei muito inteligente e engraçada, mas tu vacilou quando falou isso.

    É facil TETESTAR militãncia quando vc não sofre preconceito simplesmente porque vc ta fazendo carinho no seu namorado.

  8. karina diz:

    a lady gaga anda tomando cloro,don’t be a drag,be a queen entenderam? rainha é legal travesti não. Iiiisso lady gaga,acaba com seus fãs *-*

    • @MikaBeck diz:

      então, Drag é sinônimo de boring, é algo arrastado e tal. Não sei pq as DragQueens adotaram o nome, mas ao que parece a gaga tá dizendo “não seja chato, seja fabuloso” acho eu justamente em defesa das dragqueens, pq né? tá q ela se apresenta dentro de um ovo, mas um mínimo de coerência ela tem =]

  9. Mariana diz:

    Sem falar q a melodia é quase a mesma de Express Yourself da Madonna. Nada original Gaga.

  10. Hey… Mas musica falando dos pai sempre dá certo, tipo “Mama said” do Metallica, “Mamãe ama é o meu revólver” do Pato Fu “Mamãe eu não queria” do Raul Seixas,… Rita Lee também ja fez… mon de gente… E dá certo sim. Dá um ar cult pra parada.

  11. inshalá mto oro diz:

    tipo assim né?
    se a harpias é hetero, ela não pode tetestar militancia
    mas se ela fosse sapata, opa tudo bem tem gente q não curte mesmo
    é isso?

  12. Larissa diz:

    zzzzzZZZZZZZZzzzzzzz la vem esses gays falando de preconceito mimimi

    a música ficou uma merda mesmo

    e “gays”, acordem para a vida mas não são só vocês que sofrem preconceito nesse mundo, mas os negros, os gordos, os magros, os feios, os pobres, os nordestinos, os índios, os que sofrem bullying, ou seja, vão dormir.

    • sim diz:

      Agora me diga onde está o contra-argumento nesse seu comentário alienado?
      Mah vah! Ninguém é obrigado a concordar com tudo que Harpias e militância, em qualquer caso, é necessário e ser a favor da militância contra homofobia não anula os outros tipos de discriminações.

      Vá crescer, amg.

      • Larissa diz:

        Eu só dei a minha opiniao, assim como a Harpia deu a dela também. Então não estressa e não tente mudar minha opinião com seus argumentos totalmente ignorantes como “vá crescer”.

      • Larissa diz:

        Existe muitas maneiras de se conquistar direitos, e essa é apenas a mais depravada delas, na minha opinião. E, fãs ou não da Lady GaGa, devemos admitir que esperávamos mais da música, principalmente depois de todo o alarde que ela fez de “hino de uma geração”. [2]

      • @MikaBeck diz:

        Fato que a GaGa escrevendo uma letra minimamente política não ia conseguir fazer um hino da nossa geração… isso quem fez foi a Ke$ha com TikTok (ou a propria GaGa, com just dance)…. pq né? Imagina nossa geração pensando criticamente? Se unindo por uma causa? Tentando entender a importância da militância na conquista de direitos básicos e equalitários? -NOTGONNAHAPPEN

  13. camila diz:

    born this way nada, ela cortou meia nariga ai q eu sei!!!

  14. Matheus A. diz:

    Gente, por favor, né. Muito escroto esse argumento “você nunca levou uma lâmpada na cabeça”. Ela disse que odeia militância e também disse que ama seus amigos gays. Vocês acham mesmo que ela quer que algum deles leve um lâmpada na cabeça? Vocês falam como se isso acontecesse com muita frequência em suas vidas. 🙂

    • @MikaBeck diz:

      Lâmpada na cabeça realmente nunca levei…. Vaia por me despedir do meu ficante com um beijo faz nem 1 mês a última…. (e q certamente não foi a primeira)

  15. .__. diz:

    AI TE AMO HARPIAS

  16. Huum, Harpias mandou! Olha, não é por ser gay, como de fato sou, que aprovo militância. Existe muitas maneiras de se conquistar direitos, e essa é apenas a mais depravada delas, na minha opinião. E, fãs ou não da Lady GaGa, devemos admitir que esperávamos mais da música, principalmente depois de todo o alarde que ela fez de “hino de uma geração”.

  17. Petty. diz:

    Everybody loves Harpias.
    militância é um cu e quem tá reclamando é que tá cansado de cheirar naftalina no armário.

  18. Desirre diz:

    Já que as pessoas esquecem disso…
    parabéns pelo post Harpias, acho louvável vc deixar sua opinião apesar de todas as encheções de saco. Quanto a homossexualismo, é foda né, vc concorda com algumas coisas e é uma histérica que não entende nada de merda nenhuma ou vc discorda e daí tem que levar lampada na cara pra ter argumento.
    É uma pena que as pessoas fiquem bitoladíssimas com certos ícones e é por isso q a gente ta aí pra peidar fedido na cara deles – já que peido não mata ninguém (eu acho…) mas incomoda pra cacete.

    Abçs o/

  19. Oi_Yuri diz:

    Flop foram seus comentários, mals aê.

  20. Pingback: Top Posts — WordPress.com

  21. arthur diz:

    sinceramente ? perdeu meus acessos, tu não sabe como a gente sofre, ridícula.

  22. Laís diz:

    Assim ó, eu sou lésbica assumida e digo que hoje não existe militância. Let’s face it, quem vai pra parada gay (que eu não vou, porque não quero ser representada por essa turma ai), vai pra fazer uma pegação que chega a ser vergonhosa de tão despudorada, não pra militar por um direito ou pela aprovação de um projeto de lei.
    Ainda na questão da militância na Parada Gay, falando em números, 3,5 milhões de pessoas é gente pra caralho? É. E nesse gente pra caralho tem um monte de adolescente querendo causar na Paulista, outro monte querendo pegar o maior número de gente possível, uma caralhada de hetero querendo ver como é e 0,001% de militantes interessados no projeto de lei que é levado pra Câmara. Não é representação e visibilidade, é carnaval de rua sem abadá.
    Quanto a música, ainda não ouvi. Entre os que lançaram single essa semana prefiro Strokes a Gaga. Gostei da análise da Harpias e concordo que com uma bebida na mão qualquer coisa fica dançável.

    • Larissa diz:

      Sem falar da MAIORIA dos gays que cheiram cocaína e usam outras drogas.. e ainda querem falar de direitos?

      acho que direitos só se reservam pra quem é digno e honesto nesta vida, seja gay, hétero ou qualquer outra coisa.

    • @MikaBeck diz:

      Pô gata, galere gosta de fazer pegação, você não, ok. Galere gosta de zuar todas na night, você não, ok. Mas essa política de direitos humanos pra humanos direitos é quite nazi, não? Direitos são pra todos, não só pra qm você (ou qq um) julgue dignos.

      (acho q isso é mais pra Larissa que pra Lais, mas whatevis)

  23. Igor diz:

    Tipo o trocadilho é com drag queen

  24. bifecontrafile diz:

    GALERO, VAMOS SER GUEI, MAS NÃO É PORQUE VOCÊ SAI DANDO O CU POR AÍ QUE VOCÊ TEM QUE LEVAR AO PÉ DA LETRA ESSE LANCE DE SER PAU NO CU

  25. Paulo diz:

    HAHAHAHA

    Ai, Larissinha. Ninguém aqui tá dizendo que SÓ os gays tem direito a militar, não.
    O exemplo da lâmpada só foi dito pra exemplificar o falto da militância gay, pq foi algo que ela citou anteriormente. (ex: “se gay ok, mas ficar se agarrando na minha frente não, né!”. Ridículo)

    E outra coisa, existem váááários tipos de militância. Acho que vocês só tão pensando na militância de ir nas ruas, sair gritando com megafone e parando o trânsito (que, na minha opnião, em certos casos, é válido).

    Militância é toda ou qualquer forma de ação que aconteça pra alertar a sociedade das coisas que não estão funcionando em determinado meio social e que precisam mudar!
    E isso vale pra qualquer tipo de seguimento!

    Não sei se vocês sabem, mas aquilo que tá acontecendo no Egito é MILITÂNCIA PURA!

    Então deixem de ser hipócritas pq levantar e defender uma bandeira, seja ela qual for,
    é uma forma de tentativa por tranformação social. E qualquer tentativa, por menor ou insignificante que seja, é pelo menos, o início de uma construção de conquista.

  26. Lucas diz:

    Esse post é sobre a música ou sobre a militância? A música está atrelada à política, mas não resume só a ela. Se a música vai ser um hino ou não, to nem aí, é suficiente ser divertida, mas isso já é como cú.
    Mas você diz que adora seus amigos ‘gays’ mas odeia militância?
    A militância é justamente pra que as pessoas não falem coisas como essas, porque direitos não brotam da boa vontade do povo. Se você vai pra uma boate gay, ou escuta uma música considerada música de bicha é justamente porque aquele primeiro gay que estava sendo oprimido levantou a mão e falou ‘não’. Seus amigos são gays assumidos porque estão vivenciando uma conquista de anos de militância. Se você se preocupa tanto com seus amigos deveria no mínimo se importar com o bem estar deles.

    Quantas pessoas são mortas só porque elas são quem elas querem ser? “tu TETESTA militância pq ninguém nunca estourou uma lâmpada na tua cara, escrota.”

  27. FYS diz:

    Bom, pense que no Brasil, 99% de quem vai ouvir não vai entender lhufas da letra

    [Se fosse em português, seria uma parada Kelly Key]²

  28. Pingback: desse jeitinho « Babalu de Cebola

  29. @MikaBeck diz:

    Bom, gostei do modo de analisar a música. Não necessariamente da análise. Eu curto Lady GaGa, eu curti a música, amei a vibe anos 90 e a letra a la lua de cristal (que na minha vida foi muito mais icônica que Express Yourself, bjs).
    Entendido que as pessoas podem discordar disso, não gostar da GaGa e achar ela esquisitona. Achar a música plágio. A letra ruim. A melodia monótona. Todos tem esse direito.
    O que me preocupa é essa ridicularização de qualquer coisa que tenha um pouco de profundidade, especialmente política. Longe da letra ser um tratado de filosofia sobre as grandes questões do preconceito na contemporaneidade, mas deus é uma das pouquíssimas músicas pop lançadas recentemente que fala de algo além de beber, dançar e piriguetar. (coloco Firework no mesmo pacote de BTW)
    E galerow as vezes, só as vezes, é bom que mesmo na balada (onde beber, dançar e piriguetar são essenciais) se possa pensar um pouco sobre o que vivemos, falamos e fazemos.
    Falei muito, vocês já devem estar dormindo, paro por aqui xP

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s